17 de dezembro de 2014

[Resenha] A última carta de amor - Jojo Moyes - Maratona #EuToDeFérias#2

"Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente de carro, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. De volta à casa com o marido, ela tenta, em vão, recuperar a memória de sua antiga vida. Por mais que todos à sua volta pareçam atenciosos e amáveis, para Jennifer falta alguma coisa. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por “B”, e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante. Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalhava. Obcecada com a ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido — em parte porque ela mesma está envolvida com um homem casado —, Ellie começa a procurar “B”, sem desconfiar que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas do seu próprio relacionamento."

Logo que vi a capa desse livro me apaixonei por ele. Pouco tempo depois li uma resenha, não me recordo aonde, e tornou-se um dos meus livros desejados. Então encontrei-o em promoção no site da Amazon Brasil, e não pensei duas vezes antes de comprá-lo. Jojo Moyes entrou na minha lista de autoras favoritas após a leitura de Como eu era antes de você, e confirmou meu "favoritismo" após A última carta de amor.

A história começa justamente após o acidente de Jennifer, quando ela ainda está no hospital. Jenny não se recorda de nada de sua vida antiga. Após um tempo recebe alta no hospital, volta para casa com seu marido e se esforça o máximo possível para recuperar a memória, mas não consegue. Cansada de escutar que tudo isso vai passar e que ela voltará a ser como antes - mesmo que não saiba o que isso significa - decide não mais dividir suas angústias com o marido e as amigas. Apenas finge que as coisas estão voltando ao normal e tenta ser a Jenny perfeita que todos dizem que era antes do acidente.

A questão é que ela sempre sente que falta algo em sua vida, mas não consegue saber o que é. Sempre que pode pergunta à sua mãe como foi o acidente e ela sempre encontra uma maneira de mudar de assunto. Durante uma faxina em seu closet Jennifer encontra uma carta de amor endereçada a ela. Então percebe que estava tendo um caso extraconjugal. Assim compreende por que sua mãe nunca quis lhe contar a história do acidente. Com o tempo começa a descobrir outras cartas desse tipo escondidas em sua casa. Então decide procurar o homem que escrevia para ela com tanto amor e carinho.

A história é dividida em três partes, sendo que as duas primeiras acontecem nos anos 60, e a terceira em 2003, quando a jornalista Ellie Haworth investiga o que aconteceu com Jennifer e seu amante. Na primeira parte os capítulos são alternados entre antes e depois do acidente, para que o leitor compreenda a história, até revelar como de fato aconteceu o acidente. Devido a muitas lacunas na história você fica extremamente curioso e não consegue parar de ler.

A última carta de amor é uma história cheia de desencontros, momentos tristes e amores perdidos. Na capa do livro tem um comentário que achei muito apropriado: "...Devia vir com uma advertência: vai fazer você chorar." De fato em algumas partes da história não dá para segurar as lágrimas, então aconselho a não lerem no ônibus, metrô ou locais desse tipo. Apesar de ser uma história triste na maior parte do tempo, gostei muito do livro e também do desfecho que teve a história. Me surpreendeu em vários momentos. De certa forma , após o acidente Jenny tem a chance de ser uma pessoa diferente. Antes ela era uma dondoca mimada, e depois acaba se tornando uma pessoa menos superficial, mas infelizmente, devido a certos acontecimentos, também perde muito da alegria que tinha.

É difícil descrever a intensidade da história sem dar spoiler. Também é interessante ver as decisões que Ellie toma em relação a sua vida pessoal depois de descobrir as cartas de Boot para Jennifer. Ela também muda, amadurece e consegue perceber coisas que até então não enxergava. É uma história imprevisível, cheia de reviravoltas. Fiquei até quatro da manhã lendo para saber o final dessa história de amor entre Jenny e Boot. Simplesmente não consegui parar de ler e quando acabei fui dormir sorrindo.

Acredito que a música A Thousand Years, da Christina Perri, tem muito a ver com essa história. Por isso decidi colocá-la aqui para vocês.






8 comentários:

  1. Comprei esse livro recentimente. Estou ansiosa para que ele chegue logo. A Jojo é incrível, e pela resenha esse livro é demaaaaaaaaaaaais ♥ aiaii ♥

    www.eduardalins.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduarda, te digo uma coisa: prepare a caixa de lencinhos ;)

      Excluir
  2. A autora já tem uma base incrivel, preciso ler, já tenho todos dela.

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiii. Nunca li nada da autora, mas essa história me deixou muito curiosa. Mais do que todas as outras. Amo livros que me fazem chorar, mas confesso que isso é bem raro de acontecer =D
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Dessa autora eu só li Como Eu Era Antes de Você e eu amei esse livro. Quero ler os outros livros dela, mas tenho um certo medo de chorar tanto quanto no que eu li.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também chorei lendo Como Eu Era Antes de Você. É uma história muito linda.

      Excluir
  5. Jojo Moyes não faz meu estilo, mas anotei o nome para presentear minha namorada e algumas amigas, tenho certeza que ela vão amar a leitura. Ótima resenha. :)

    http://legadodaspalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Hugo. Sem dúvida elas vão gostar do livro.

      Excluir