28 de junho de 2016

[Resenha] Por Lugares Incríveis - Jennifer Niven

“Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.

Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.”

Violet Markey e Theodore Finch se conhecem na Torre do Sino da escola em que estudam. Na verdade eles começam a se falar nesse dia. Theo sabe quem é Violet. Ela é a garota popular que anda com os outros populares da escola. E Violet também sabe quem é Theodore. É o garoto esquisito que é chamado de Aberração. Ele é muito alto para sua idade e bem diferente dos demais. E é Theo quem ajuda Violet a descer da Torre.

Todos na escola acreditam que foi o contrário. Eles pensam que a garota salvou a vida do “Aberração”. Se as coisas já eram difíceis para Theo, depois desse dia elas pioraram. Começam a surgir vários boatos sobre ele. Theodore decide guardar o “segredo” de Violet e permiti que todos na escola pensem que ela salvou sua vida. Ela se torna a grande heroína da escola.
Após esse episódio o professor de Geografia passa um trabalho no qual os alunos terão que visitar alguns lugares interessantes da cidade onde moram. O trabalho é em dupla e Theo decidi fazê-lo com Violet. Ultravioleta Markante, como ele a chama. No início ela fica resistente à ideia de fazer o trabalho com ele, mas ao longo do tempo essa resistência cai por terra e Violet descobre que Finch é uma pessoa incrível. Eis que surge a dupla mais improvável do Colégio Bartlett.
 
“Olho para ela longamente. Conheço a vida bem o suficiente pra saber que não podemos acreditar que as coisas vão ser sempre iguais, não importa o quanto a gente queira. Não podemos impedir que as pessoas morram. Não podemos impedi-las de ir embora. Não podemos impedir nós mesmos de ir embora. Me conheço bem o suficiente pra saber que ninguém consegue me manter acordado ou me impedir de dormir. Tenho que fazer isso sozinho. Mas, cara, como gosto dessa garota.”

Antes de manifestar minha opinião sobre essa história quero dizer uma coisa. Uma curiosidade que me deixou perplexa: a história é inspirada em fatos reais. Leiam a Nota da Autora ao fim do livro e entenderão melhor. É só isso que posso dizer.

A história é narrada em primeira pessoa, mas é feita pelos dois personagens principais, Finch e Violet. É o tipo de narrativa que gosto, pois nos proporciona conhecer o ponto de vista de cada um. 

Theodore é um garoto excêntrico, que gosta de chamar atenção e é conhecido por ser problemático. De vez em quando ele se mete em confusão e por conta disso foi encaminhado para a Orientação Pedagógica. A Orientação acontece uma vez por semana e não é o compromisso favorito de Theo. Sempre que o assunto “família” aparece ele inventa uma mentira e tenta não falar muito sobre isso. Aliás, Theo mente com frequência e isso faz com que Violet não confie nele no início. Os pais dele são divorciados há um tempo. O pai os trocou por outra família. Por conta disso a mãe do garoto ficou em frangalhos e não dá tanta atenção aos filhos. Ela não vive e sim sobrevive. Theo não a culpa por isso. Na verdade ele tem compaixão pela mãe e não a julga. O pai de Finch é estúpido e violento e o relacionamento dos dois é difícil. Ele e as irmãs precisam jantar na casa dele todos os domingos. É algo sem nexo, para falar a verdade. 

Já Violet é a típica garota popular, linda, amada e admirada por todos. Ou pelo menos era, até o acidente que matou sua irmã, Eleanor. Violet se sente culpada por ter sobrevivido. Faz quase um ano que o acidente aconteceu e ela só consegue sair do quarto para ir à escola. Ela e Ryan, seu namorado, estão dando um tempo; não sai mais com as amigas, mal conversa com os pais e a alegria que estampava seu rosto se foi. Seus pais estão preocupados, mas ela não tem forças para reagir. 

Essa é uma história impactante e provocativa, mas que consegue ser divertida em alguns pontos. Suicídio é um tabu que deveria ser conversado. É como se as pessoas tivessem medo de falar sobre isso. Parece que se você se calar ele vai deixar de existir. Só que isso não acontece. Ele continua a existir e essas pessoas com ideação suicida precisam de ajuda. Não é frescura ou falta do que fazer. É algo sério e precisa ser debatido.
Até agora eu estou processando todas as sensações e sentimentos que essa história incrível me deixou. A autora consegue tratar do tema de uma forma que mexe com o leitor, mas não é algo pesado. É um livro que você lê e não consegue parar até chegar ao fim. Depois de termina-lo me perguntei quantos Theodores Finch existem por aí. Muitos dos comportamentos dele eu não entendi, mas quando descobria causa, tudo fez sentido. Assim como Violet, eu tive vontade de ajuda-lo. Em alguns momentos eu queria entrar na história, sacudir a mãe dele e dizer: Seu filho precisa de ajuda!  

“O problema das pessoas é que elas esquecem que na maior parte do tempo o que importa são as pequenas coisas. Todo mundo está tão ocupado no Lugar de Esperar. Se lembrássemos que existe uma coisa chamada torre Purina e uma vista como esta, todos seríamos mais felizes.”

4 comentários:

  1. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
    é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita
    Ficarei radiante,mas se desejar seguir, saiba que sempre retribuo seguido
    também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
    Sou António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Morro de vontade de ler esse livro! *_*
    Seguindo o blog!

    Beijos,
    Postando Trechos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é muito amor! Daquelas histórias que toca o coração lá no fundo.
      Beijos

      Excluir
  3. Quero muito ler esse livro e amei a sua resenha :)
    Vou add à minha lista...
    Beijos,
    http://www.fabulonica.com/

    ResponderExcluir