2 de fevereiro de 2016

[Autor do mês] Pedro Bandeira

Oi, gente, tudo bem? Ano passado criei aqui no blog a coluna Autor do Mês, com o objetivo de a cada mês apresentar a vocês um autor diferente. O problema é que o fim do ano foi muito corrido e por isso não consegui manter a frequência da coluna como gostaria. Mas acredito que agora as coisas voltarão ao normal (pelo menos por enquanto). 

O primeiro autor de 2016 é um escritor muito especial para mim, pois contribuiu de forma significativa com meu amor pela leitura. É um autor nacional e em 2014 tive a chance de conhecê-lo e ter um livro autografado. Senhoras e senhores, vos apresento Pedro Bandeira.

Pedro Bandeira nasceu em Santos, SP, em 9 de março de 1942. Em 1961, para estudar Ciências Sociais na USP, mudou-se para a capital de São Paulo. Atualmente reside em uma chácara na região de Mata Atlântica próximo a São Paulo. É casado com Lia, tem três filhos (Rodrigo, Maurício e Marcelo) e uma porção de netinhos: Melissa, Michelle, Beatriz, Júlia e Érico.

Desde muito jovem, ainda em Santos, dedicou-se com entusiasmo ao teatro amador sob os auspícios de Patrícia Galvão, a Pagu, e foi por anos parceiro do grande dramaturgo Plínio Marcos. Ao transferir-se para São Paulo, fez teatro profissional como ator, diretor, cenógrafo e trabalhou com teatro de bonecos até 1967, além de dar aulas de Literatura Brasileira e Portuguesa para o Ensino Médio. Trabalhou em televisão em 1963 como apresentador de programas dirigidos para a juvens e, de 1969 a 1984, protagonizou dezenas de comerciais para televisão. Desde 1962, porém, sua principal atividade profissional (aquela que lhe permitia a sobrevivência) foi a de jornalista (redator e editor) e em seguida a de publicitário (redator, diretor de criação e diretor de marketing).

A partir de 1972 começou a escrever histórias para crianças, publicadas em revistas e vendidas em bancas de jornal pelas editoras Abril, Saraiva e Rio Gráfica, até que, em 1983, com a publicação de sua primeira história em formato de livro (O dinossauro que fazia au-au, pela Editora Moderna), passou a dedicar-se exclusivamente à criação de livros infantis e juvenis.

É o autor de literatura juvenil que mais vende no Brasil (10,8 milhões de exemplares até 2009, além de 11,2 milhões adquiridos pelo governo federal para distribuição às bibliotecas escolares). Ganhou o Prêmio Jabuti na categoria Literatura Infantil, em 1986.

Fonte: site oficial do autor

Conheci Pedro Bandeira através da série "Os Karas", composta inicialmente por cinco livros. São eles: A Droga da Obediência, A Droga do Amor, Anjo da Morte, A Droga de Americana e Pântano de Sangue. Recentemente o autor lançou o livro A Droga da Amizade, que também faz parte dessa série, o que fez a alegria dos fãs (resenha aqui). Lembro que pegava os livros emprestados na biblioteca da escola. O primeiro que consegui comprar foi justamente o último da série. Foi à partir daí que me interessei por histórias de mistério e aventura. Lembro que algumas amigas que estudavam comigo na época também se encantaram pelas histórias do Pedro Bandeira, então podíamos conversar após as leituras. Bons tempos aqueles.

Quem tiver interesse em saber um pouco mais a respeito do dia em que conheci esse escritor incrível, clique aqui, pois tem um post especial falando desse dia. Beijos e até mais!

4 comentários:

  1. Oi Erica, tudo bem?
    Então, conheci seu blo, gostei, estou seguindo e passei pra dizer que te marquei em uma TAG lá no Mundo Literário. Dá uma passadinha por lá! Beijocas
    Cecília Costa

    ResponderExcluir
  2. Pedro Bandeira também é um autor importante para mim. Marcou minha adolescência, me cativou e segue sendo especial e lindo. Adoro quando as pessoas falam dele!

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Pedro Bandeira também é um autor importante para mim. Marcou minha adolescência, me cativou e segue sendo especial e lindo. Adoro quando as pessoas falam dele!

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Do Pedro, eu li A Marca de Uma Lágrima, e essa história é linda e eu diria que um dos melhores livros juvenis que eu li.

    Tô querendo ler outras coisas dele porque acho a escrita super fluída e gostosa. <3

    Poesia em Transe

    ResponderExcluir